Encomendar o livro 100% Sem Glúten





100% Sem Glúten - Receitas para uma alimentação saudável ( cerca de 100 receitas ). O preço do livro é de 12 Euros com portes de envio fica em 18 Euros para todo o país. O livro será enviado através dos CTT e pago no acto de entrega ou aos balcões dos ctt. Para encomendar envie o nome completo e morada para a caixa de correio livroportuguessemgluten@gmail.com, se quiser poderá indicar o nome da dedicatória. O livro será enviado autografado pela autora. Receberá sempre uma confirmação de entrega.








2012

Desejos de um 2012 cheio de positividade e muita saúde... O resto vem por acréscimo!!!
Basta de lamentos, aproveitar as coisas simples e tirar o maior partido de nós próprios, ser feliz...

Workshop: Regresso às aulas sem glúten

No seguimento do êxito dos anteriores workshops realizados a APC decidiu organizar, com o apoio de 2 associados de Leiria, um Workshop intitulado Regresso às aulas Sem Glúten, a realizar-se dia 22 de Outubro de 2011 na Escola Básica 1º Ciclo Quinta da Alçada, 2415-569 Leiria, pelas 9h.
O workshop será dado por Alexandra Gameiro, autora do livro “100% Sem Glúten”, e tem como objectivo demonstrar aos pais, e aos próprios celíacos, algumas receitas práticas de padaria e pastelaria indicadas para saborosos lanches sem glúten. 
Para fazer a sua inscrição neste workshop contacte a APC através do email dietista@celiacos.org.pt">dietista@celiacos.org.pt">dietista@celiacos.org.pt">dietista@celiacos.org.pt ou do telefone 91 813 95 11, até dia 15 de Outubro de 2011, e envie o comprovativo de pagamento da inscrição de forma a validar a mesma. O NIB da APC é o indicado no portal e verso do cartão de sócio: 0010 0000 42779 160001 91.

Dia: 24-09-2011
Hora: das 09H30m
Duração: 3 Horas
Limite de Inscrições: 20 participantes
Mínimo de inscrições: 10 participantes
Preço: €6.00 Sócio, €12.00 Não Sócio, €04.00 Acompanhante de sócio*  
Patrocinio: Glutamine (www.glutamine.pt)
 * máximo de 1 acompanhante por sócio

Participe!

Chocolates Sem Glúten

Começa a época natalícia e a correria a comprar prendas. Mas quando se trata de comprar para celíacos não pode haver correria pois os rótulos têm que ser lidos e sempre com a esperança de encontrar as palavrinhas mágicas como " isento de glúten", "não contém glúten", etc...
Aqui vai a lista de chocolates para o Natal:






Chocolate Reigelein ( encontrei no Continente )
Isento de glúten.

Kinder: Schoko-Bons, ovo surpresa, barrinhas,
Bonequinhos de pendurar e Pai Natal com ovinhos.







Pai Natal de pendurar da Caffarel ( encontrei no imaginário )
Apto para celíacos.









Se quiserem acrescentar algum do seu conhecimento,
p.f. envie um comentário.
Boas Festas!!!

Gomas sem glúten

A Interdoces tem nova imagem e o rótulo foi alterado. Diz " sem glúten", o melhor é que são a preço normal.
Á venda no Pingo Doce, grandes superfícies.

Perceber o porquê da alteração dos rótulos - sem glúten!

Pois é, cada vez mais se encontram produtos "sem glúten" nas prateleiras dos supermercados. Quando a legislação obriga, as empresas começam a mudar de mentalidades... É já a partir de 2012 que a lei obriga à alteração dos rótulos, em  causa está a  presença de alergéneos.
No caso do glúten a partir de 20ppm, o rótulo terá de dizer "contém vestígios de glúten" 
e a partir de 100ppm, o rótulo terá de dizer "contém glúten".
E se o produto tiver menos de 20ppm poderá dizer "não contém glúten", embora a lei não obrigue a escrever isto, só se o produto for específico para dietas sem glúten.

Fermento Royal - Pode conter vestígios de glúten

Para os mais distraídos, o rótulo das embalagens do fermento Royal foi alterado!!
O fermento preferido dos portugueses celíacos agora diz que pode conter vestígios de glúten!
Fermento retirado da dieta sem glúten!

Mas nem tudo são más notícias pois existem "n" fermentos que são isentos de glúten... Mas se quer mesmo um que diga " Não contém glúten", tem este aqui da Levital, à venda nos hipermercados ( Pingo Doce ) na zona do frio.

    Não contém glúten   

Mas afinal o que é o fermento?
O fermento é então formado por um micro organismo vivo: a levedura (saccharomyces cerevisae).

Para entrar em actividade as leveduras precisam de alimento - a farinha, mas também de uma temperatura adequada. Expostas a temperaturas muito altas morrem - por essa razão não de deve dissolver o fermento de padeiro em água demasiado quente. Pelo contrário, a temperaturas muito baixas ficam como que ‘adormecidas’. Ainda assim, é possível congelar fermento de padeiro, já que ao descongelar as leveduras ‘acordam’, voltando a ficar activas.

A temperatura óptima para o desenvolvimento das leveduras é entre os 27º e os 32º C, permitindo-lhes multiplicar-se e produzir dióxido de carbono e compostos que dão um sabor agradável ao pão. A temperaturas superiores, multiplicam-se mais rapidamente, produzindo mais dióxido de carbono mas também mais compostos ácidos de sabor desagradável. Assim, o pão deve ser deixado a levedar a uma temperatura não muito alta - demora mais tempo, mas obtém-se um pão mais saboroso.

Atlantic Meals

Fundada em Novembro de 2005 é uma empresa de capitais exclusivamente nacionais e com o intuito de contribuir para o escoamento e transformação das produções de arroz e milho das regiões do Ribatejo e Sado.
Tem como missão contribuir para a produção de arroz e milho na óptica da segurança alimentar, respeitando e preservando o ambiente e os recursos naturais.
Rege-se por princípios de transparência, honestidade e confiança. As actividades da Atlantic Meals centram-se na secagem,
armazenamento e transformação de arroz e milho, assim como a sua comercialização.
Grande parte da sua produção é a chamada " baby food ". Um em cada três bebés na Europa consome farinhas com ingredientes produzidos pela Atlantic Meals, sendo um dos casos a marca Milupa.
Recentemente colocaram no mercado português a farinha de milho - marca ceifeira.
Podemos encontrá-la à venda no Pingo Doce.

Seguramente sem glúten, com uma textura finíssima e ideal para a culinária dos celíacos.


Fonte: www.atlanticmeals.pt




Saborear, Eventos e Marés

" Morre lentamente quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho"

Sempre foi o sonho da Fátima, que em Dezembro de 2008  tornou realidade!
Surgiu, em Leiria, a Saborear, Eventos e Marés, fruto de uma forte inspiração e sabor inconfundível...
A pensar na igualdade de direitos, criou uma linha de produtos gourmet completamente artesanais SEM, sem glúten, lactose, sal, açúcar...
As bolachinhas sem glúten já fazem sucesso entre os miúdos e graúdos!
Obrigada e Parabéns Fátima!

Veja o seu site em www.saborear.eu
os produtos SEM  www.saborear.eu/produtossem.php

Marca Pingo Doce

A marca Pingo Doce elaborou uma lista de marca própria de produtos sem glúten. Não dispensa a leitura do rótulo.

http://www.pingodoce.pt/pt/os-nossos-produtos/produtos-sem-gluten/

Para mais informações contacte o serviço de apoio ao consumidor do Pingo Doce 808 20 45 45 ou clientes@pingodoce.pt

Marca Continente

" Para conforto dos consumidores o continente disponibiliza uma listagem de produtos da marca própria Continente que não possuem glúten..."

Lista de produtos sem glúten:
http://marcapropria.continente.pt

Para mais informações contacte o serviço de apoio ao consumidor do Continente 808 10 66 66 ou
siga.as.cores@sonaedistribuicao.pt 

Páscoa 2010 Sem Glúten

Para este ano as amêndoas/ bombons aptos para celíacos são:
( recebi esta informação pelas empresas)
 - Ferbar: ( amêndoa receita caseira, coberta de açúcar caramelizado ).
- Confeitaria da Ajuda: ( Amêndoa Tipo Francês, Amêndoa Lisa Cores, Amêndoas Sobremesa, Amêndoas cobertas de chocolate, Confeitos de Chocolate e de Pinhão)
- Ferrero / Kinder: Barrinhas Kinder, Ovo com surpresa e Ovo Grande surpresa, Schoko-bons, Mon Chéri.
- Lacasa: Divinos ( ver tabela pois são muitos! ) http://www.lacasa.es/alergenos.pdf
A leitura do rótulo é sempre obrigatória!
Boa Páscoa!!

Kinder de Natal

Obtive resposta da Ferrero e claro quero partilhar com os leitores a resposta que obtive...
Os bonecos de neve de pendurar na árvore e o Kinder Circus não contêm glúten!!! Finalmente vou pendurar fantasias de chocolate na minha árvore de natal.... 
Desejo a todos umas boas festas e um Feliz Natal!!! E não se esqueçam... façam o favor se ser felizes!
http://www.ferrero.pt/fc-1094/

Aniversário?? Aponte esta receita!

Este bolo foi para o aniversário do meu pequenote mas como a receita é bastante simples dá para adaptar a qualquer idade! Ajustando a decoração, claro!!

Ingredientes para um bolo de cerca de 1,5 Kg:

500g de avelãs
350g de açúcar
5 c. sopa maizena
12 ovos
1 tablete chocolate sem glúten ( utilizei da marca cem porcento )
Papel vegetal para forrar a forma redonda sem buraco

Preparação:

Num recipiente junte os ovos com o açúcar e mexa com uma colher até ficar uma mistura homogénea, adicione a maizena e volte a mexer bem ( se tiver dificuldades em dissolver os grumos use a varinha mágica ) junte as avelãs trituradas. Forre uma forma redonda sem buraco com o papel vegetal e verta o preparado. Leve a cozer em forno pré-aquecido a 180ºC por cerca de 20 minutos. Espete um palito se este sair limpo está pronto. Deixe arrefecer antes de desenformar. Derreta o chocolate partido na potência mais baixa do microondas e ainda quente barre todo o bolo. Decore a gosto e sirva! ( utilizei lacasitos que não têm glúten e amêndoas inteiras e raladas ).

Alimentos sem glúten = despesas saúde IRS

Finalmente podemos colocar como despesa de saúde, na declaração do IRS, todos os alimentos específicos para uma dieta sem glúten!



O que levar para um piquenique...

Procurando no mercado português, encontramos alguns produtos que podem facilitar a vida aos celíacos...

Para beber:























Para acompanhar um pão sem glúten: queijo para barrar philadelphia, doces casa de mateus, queijo terra nostra, queijo limiano, creme de avelãs nuttela...











Entrevista para a APC

Curriculum Vitae
Alexandra Gameiro – autora do livro “100% Sem Glúten -Receitas para uma Alimentação Saudável”.
Alexandra Gameiro, casada, 1 filho, 29 anos, natural de Leiria. Em tempos pertenceu ao corpo dos Bombeiros Voluntários de Maceira, deu catequese, fez voluntariado na Casa de Saúde em Belas – Irmãs Hospitaleiras, sempre com espírito de entre-ajuda…

Perguntas:

1 - O que a levou a escrever este livro?
Perante um diagnóstico de doença celíaca do nosso filho, e por todas as dificuldades que ultrapassámos para superar uma dieta isenta em glúten, achei que seria a altura ideal partilhar com todos os outros o que aprendi e transpor para um livro os conselhos necessários para o dia-a-dia, juntando variadas receitas que são imprescindíveis na nossa mesa. E sempre com positividade pois ser celíaco não significa deixar de comer comidas saborosas, pelo contrário, o livro é uma prova disso mesmo!


2 - Como foi escrever este livro? Que género de pesquisas efectuou e que apoios teve?
No início foi obrigatoriamente necessário alterar a rotina do dia-a-dia na nossa alimentação, pois partilhamos com o nosso filho a dieta isenta de glúten de modo que ele perceba que em casa não é discriminado e que é possível comer quase tudo igual mas sem glúten! O gosto pela culinária levou-me a pesquisar tudo o que podia sobre a DC, desde receitas, aos cuidados para a sua abolição, cuidados de higiene, etc… Na pesquisa de receitas, receitas normais (com glúten), fui experimentando alterar um ou dois ingredientes para que a receitas ficasse sem glúten e quando o resultado final saía bem a receita era registada. Cheguei a um ponto que a gaveta da cozinha estava atolada de papéis soltos, todos de receitas sem glúten e quando precisei ir de férias, achei pouco prático levar tanto papel comigo, foi então que passei tudo a limpo bem organizadinho para me facilitar a tarefa em férias. Sinceramente não gosto de receitas complicadas, quanto mais simples melhor pois também quero guardar algum tempo para passar com o meu pequeno. Sempre achei que deveria existir um livro de receitas para nós portugueses pois os livros estrangeiros são bons mas têm ingredientes que não se encontram por cá e acabam por ser inúteis. Então pensei que já tinha um rascunho só precisava aperfeiçoá-lo e encontrar algumas empresas que pudessem ajudar na edição. Pretendia também que o livro explicasse a doença ( achei que os médicos que seguem o meu filho seriam os indicados) e que houvesse conhecimento da existência da APC. O projecto era inovador e o primeiro em Portugal, logo fora bem aceite! A Glutamine quis exclusividade na edição e eu aceitei.


3 - O que pretende com a publicação/venda do livro?
Este livro existe não só para auxiliar os futuros pais de celíacos, celíacos, mas para a população em geral pois o mesmo contém receitas de fácil elaboração, mais saudáveis, pois não é necessário o recurso constante a produtos industrializados, vem desmistificar a dieta celíaca pois é possível comer bem, saudável e de tudo, vem alargar novos horizontes pois deixa de ser um livro apenas conhecido pelos celíacos mas também conhecido por todos os que desconheciam a dieta sem glúten. Além disso vem dar a conhecer a APC, a sua função enquanto associação e 50 por cento do valor reverterá em seu favor. É importante que todos os celíacos venham a fazer parte da APC, pois só assim se conhece o número de celíacos no nosso país e acredito que para alterar a legislação e mudar a “mente da nossa sociedade” somos todos necessários!


4 - O que tem de novo este livro?
Este livro já é novo por si só! Tem 64 páginas, capa dura, com um prefácio que conta com o testemunho da Drª Susana Almeida e do Drª Ricardo Ferreira, médicos gastrenterologistas do Hospital Pediátrico de Coimbra, uma introdução escrita pela APC, uma apresentação da Glutamine, um capítulo onde consta a tabela dos 3 P’s, tabela cedida pela APC em que mostra os alimentos permitidos, perigosos e proibidos, os 10 mandamentos do celíaco, o meu testemunho enquanto mãe, uma rubrica que se chama “ Ser positivo “ onde pretendo transmitir alguma positividade perante o diagnóstico da DC, a “ Despensa sem Glúten “, “ Comer fora “, baseados na minha experiência. O índice das receitas conta com cerca de 100 receitas desde entradas, a pratos de carne, aves e peixe, sopas, massas, pães e bolos, sobremesas, molhos & coberturas, licores, compotas e doces. Um livro que não despensa imaginação da parte do seu leitor pois pode ainda variar as receitas trocando coberturas e molhos de modo a obter variadas conjugações.


5 – Onde podemos encontrar o livro?
O livro começou por ser vendido nas livrarias do distrito de Leiria, presentemente poderá ser encomendado em algumas livrarias a nível nacional, no meu blog: livroportuguessemgluten.blogspot.com e no sítio da APC. Cada vez mais acresce o número de livrarias interessadas em comercializar o nosso livro! É bom, não?


6 – Depois de o escrever que reacções teve, nomeadamente de pessoas não celíacas?
O desconhecimento da população em geral perante o livro “100% Sem Glúten” despertou curiosidade afinal sem glúten significa mais saudável! Muitas pessoas ficaram alerta, afinal a DC pode ser diagnosticada em qualquer idade e mais vale prevenir!


7 – Os pais de doentes celíacos e os próprios celíacos aderiram a este projecto? Pretende dar-lhes continuidade com, talvez, um outro livro ainda com mais receitas, adaptações e conselhos?
Sim tem havido uma boa adesão afinal existem muitos celíacos no nosso país e até famílias inteiras de celíacos! Não me arrependo de ter escrito este livro afinal veio a preencher um vazio que existia. As pessoas sentem-se satisfeitas pois pela primeira vez algo foi publicado a pensar nelas! Futuramente não se sabe se continuarei a minha escrita afinal muito ainda ficou por “dizer”. E como tive que trabalhar para as 64 páginas não pude fugir muito ao tema! “Experimentem tudo, cozinhem tudo, comam tudo, isento de glúten!

Páscoa Sem Glúten!

Para esta Páscoa as amêndoas aptas para celíacos são:

Ferbar: Amêndoa sobremesa

Kinder: Ovo chocolate grande Surpresa, Schoco-bons, barrinhas de leite... consulte: http://www.ilovekinder.com/

Lacasa: Ovo chocolate grande surpresa, moedas chocolate, Divinos / Amêndoas: chocolate preto, branco, chocolate leite... consulte: http://www.lacasa.es/nuestrosproductos.html

Regra de ouro: Ler sempre os rótulos!

Na imprensa

Jornal Região Leiria: http://www.regiaodeleiria.pt/?lop=conteudo&op=b3967a0e938dc2a6340e258630febd5a&id=2e7c3663a1dc1dfb68eaae5bfbcd22eb&drops%5Bdrop_edicao%5D=483&drops%5Bdrop_edicao%5D=483


Na Revista Audácia: http://www.audacia.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EkFlyyFykyRETmgjcf

" Consigo " da RTP2
No passado domingo dia 5 Abril, o programa Consigo falou de glúten, falou com a APC e aconselhou a leitura do livro 100% Sem Glúten...http://ww1.rtp.pt/multimedia/?tvprog=23317&idpod=23928Tempos:
Aos 13 minutos: APC Aos 23:30 minutos: Livro 100% Sem Glúten





Na TVI... Jornal Nacional de 2009/01/31


video

Lançamento do livro - 6 Dez. 2008






O lançamento do livro 100% Sem Glúten foi no passado dia 6 de Dezembro de 2008 em Leiria e contámos com a presença da APC ( Raquel Madureira, Mário Romero e Rita Jorge ), do INSA - a Drª Marina Pité, a Drª Susana do Hospital Pediátrico de Coimbra e a imprescindível Glutamine...
A animação feita pela Mimoslife com a Mónica e a Catarina...
Foi um sucesso!
Obrigada a todos!




A Doença Celíaca

A doença celíaca (DC) é uma intolerância alimentar crónica e permanente ao glúten, uma proteína presente em quatro cereais: trigo, centeio, cevada, e aveia. Por isso, o único tratamento conhecido consiste numa dieta rigorosa isenta de glúten, que deve ser permanente e feita de forma saudável e equilibrada. Os alimentos que contêm glúten devem ser substituídos por outros sem glúten e não eliminados da dieta.
Classicamente considerada uma doença exclusivamente da infância, causando síndrome de mal absorção e consequente desnutrição, tem vindo a ser diagnosticada em todas as idades, podendo afectar vários órgãos e sistemas para além do tubo digestivo.
O único tratamento eficaz é uma dieta absolutamente isenta de glúten para toda a vida.
A dieta isenta de glúten deve ser equilibrada, fornecendo ao organismo os nutrientes adequados a cada fase da vida, sem o excesso de gorduras presente em alguns produtos sem glúten, nomeadamente bolachas e biscoitos, privilegiando sempre que possível o recurso a alimentos frescos, não processados industrialmente.
A dieta deve ser também variada, quer nos ingredientes quer no modo de confecção utilizados, para que a aderência à mesma não seja um fardo maior que a própria doença.
Elaborado por Drª Susana Almeida, Dr. Ricardo Ferreira
Serviço Gastrenterologia pediátrica Hospital Pediátrico Coimbra, Centro Hospitalar Coimbra, E.P.E.

Conhecer a APC

Aquando do diagnóstico, as pessoas sentem-se desanimadas, por vezes até mesmo revoltadas, com a situação. Mas esta alteração na rotina alimentar não significa que passa a ser impossível comer de um modo equilibrado e agradável. Na realidade, basta encarar o problema de frente e adaptar os cozinhados, seguindo a teoria de Einstein quando afirmava que «melhor do que ter conhecimentos é ter criatividade e imaginação». Aliás, estes são os predicados dos grandes cozinheiros!
Criada para defender os interesses e direitos dos celíacos, a APC ( clique e faça-se sócio ) tem como missão divulgar a doença celíaca e encontrar soluções para os problemas que decorrem desta patologia, bem como alertar as entidades competentes para questões específicas que em muito prejudicam estes doentes. Em resumo, os objectivos da APC são apoiar e informar os celíacos, sensibilizar a classe médica para a doença e critérios de diagnóstico, dialogar com a indústria alimentar, promover a troca de experiências entre celíacos, e desenvolver laços com Associações de Celíacos estrangeiras.

Tudo o que possa ser feito no sentido de uma melhoria de vida dos celíacos é, naturalmente, apoiado pela APC. Um livro de receitas é (e de que maneira!!!!!) muito bem-vindo. Experimentem tudo, cozinhem tudo, comam tudo. Isento de glúten!
Elaborado por Dt. Rita Jorge com a colaboração de Raquel Madureira, Mário Romero e Margarida Machado da Associação Portuguesa de Celíacos

100% Sem Glúten

A regra de ouro para viver em plenitude é ser positivo…

Acho que os pensamentos positivos atraem coisas boas por isso o melhor remédio é erguer a cabeça e aceitar o presente.
A etapa seguinte ao diagnóstico foi cumprir a dieta a rigor, pelo que informei-me o mais que pude sobre o que era a Doença Celíaca, e cheguei á conclusão que daria imenso jeito encontrar um livro de receitas sem glúten, mas não encontrei nenhum.
Foi então que pensei que seria uma boa altura, agora que já tenho um pouco mais de experiência sobre confecção de culinária sem glúten, para escrever um livro de receitas que pudesse ajudar todos aqueles que assim como eu tiveram que recomeçar do zero.
Neste livro está depositada muita imaginação, espero que sirva de inspiração para futuros cozinheiros de comida sem glúten… não deixem de comer bem pois com força de vontade é possível fazer tudo e ter de tudo numa cozinha para celíacos…
Acreditem que optam por uma alimentação mais saudável pois tudo o que passará a existir na vossa cozinha é fruto do vosso trabalho. Assim aproveitem tudo o que a natureza oferece e encham a arca de tomates, pimentos, abóboras, courgetes…!!!